sábado, 18 de junho de 2011

ou


uma poesia sobre
campos floridos exagerando os jardins dos pensamentos
ou
correr de braços abertos rumo ao indefinido
ou
se embriagar de cheiros e sabores pelas manhãs
ou
acordar na madrugada e gozar pelo simples silêncio do mundo
ou
ouvir a espontânea frase de uma criança e rever tudo o que se pensava sobre a vida
ou
descer até o último andar de escadas e ter que voltar só para ligar para a amada

a vida
ou
a aprendizagem sobre possibilidades virtuais infinitas
que sempre se materializam
de uma in
forma
ou
de outra

5 comentários:

O Impenetrável disse...

ótimo poema, parabéns.

e parabéns também pelo futuro livro.

Velharia disse...

...Ou ler um otimo poema. Como esse, como esse...

através disse...

ou
sair do rio na sombra e sentir o sol se abrindo sobre a pele
ou
terminar a última poesia do livro e voltar infinitamente para a primeira
ou
sentir o belo da vida-poética-virtual
e lembrar de um amigo...

Munique Alvim Duarte disse...

Adorei cada "ou" destes versos. Queria que você conhecesse também os meus em http://textosimperdoaveis.blogspot.com
ABraço!

João disse...

saudades dessas frases soltas...
abrçs