quarta-feira, 7 de maio de 2008

O nosso grito!

"O grito:
De empregada doméstica a diva dos produtores e DJs do mundo todo, Deize Tigrona se encontrou no Funk. Prestes a sair em turnê pela Europa, a MC conversou com O Grito!, onde mostrou um lado terno que contrasta com as rimas que canta no palco. " ( http://www.revistaogrito.com/page/05/05/2008/deize-tigrona/ )

Há 63 atrás, o grito:
De pintor a "divo" dos matadores e SKs(Serial Killers) do mundo todo, Hitler se encontrou no nazismo. Prestes a sair em turnê pela Europa, o tirano conversou com O Grito!, onde mostrou um lado terno que contrasta com as atrocidades que comete no país.

A intenção aqui não é comparar Deize com Hittler ou criticar negativamente o funk (a não ser a Dança do Créu que realmente veio das profundezas aonde habita o tinhoso sulfurado). A questão é: diante da imprensa e propaganda qualquer um é terno, meigo e o caralho a quatro. Isso cabe a um bucado de neguete:

O grito:
De militante estudantil a "divo" dos reacionários e banqueiros do mundo todo, José Serra se encontrou no Palácio dos Bandeirantes. Prestes a sair em turnê por São Paulo, o governador conversou com O Grito!, onde mostrou um lado terno que contrasta com as atrocidades que comete no estado.

É bem por aí...

Um comentário:

alu[ci]no de vida disse...

E debaixo das asas de um governo tucano, de uma mídia sem escrúpulos, de um poder armado genocida, de um imperialismo do capital, o perfeito retrato do cidadão com certeza seria aquele nada singelo quadro de um nada singelo pintor chamado Munch, claro que o nome do quadro também é bem sugestivo. Todos precisamos d'O Grito.