segunda-feira, 8 de junho de 2009

sobre sinceridade


abrir o peito com faca de pão
cega
e sentir a dor da faca
com o tórax amolado.

do peito já aberto
extirpar o coração pela aorta
e degluti-lo
em uma só mordida.

agora a linguagem é pulsante
e a verdade,
que nunca existiu,
que nunca passou de uma invenção,
existe.

afaga o que era difuso
difusa o que era afago.

sente-se uma eloquência muda
percebe-se plenitude e leveza
na confusão

e tudo se explode
pra dentro.

enquanto isso,
o vento sopra sal
em orelhas doces.


sinceramente.

5 comentários:

Gabriel " Bibi" disse...

E tudo me explode...


Sinceramente, muito bela!

Patricia disse...

Maravilhosa Branco!!!

Carneirinho disse...

Sim, ser a mente.

obs: e o coração também com a alma dando respaldo.

Carneirinho disse...

sinceramente lindo

meninadosolhos disse...

é que sinceramente,

mexeu comigo!