terça-feira, 23 de setembro de 2008

Sonhos

Dentro da opaca luz que tenta oprimir a sensação de estar a só, preferi desligar o interruptor e largar dessa opressão da luz artificial. No escuro somos mais sensíveis e sinceros, tanto com nós mesmos em nossos pensamentos quanto a dois no sexo. Desde criança me pergunto o porquê de tantos pensamentos em momentos de insônia no escuro do quarto. São pensamentos potencializados, mastodônticos, consoantes ao sonho. Neles eu sinto a linha tênue entre a vida desperta e o onírico mar em combustão. Na insônia, vez ou outra, tenho a sensação de um bom começo. Um começo pra nada em específico, sinto apenas algo que se inicia, leve e acalentador, que me explode rumo ao sono com uma felicidade que só pode ter vindo da união de todas as cores que formam o preto que meus olhos vendados enxergam, agora é tudo preto, é tudo colorido e a sincronicidade do sentimento de mundo deságua numa queda bruta de unidade catártica em meu movimento rápido dos olhos. Durmo.

3 comentários:

barbara disse...

noite, luto real, infinito do que nos morre
irônica, escurece e abrasa
a incompletude dos sentidos,
o caos ébrio implodindo onírico,
nossa morte e reinício

a noite bem a fim do mistério: os mais antigos cônjuges do universo fitando os destinos dos homens, humanos dormem
-
às duas da tarde na luz há uma exposição jocosa, vadia
e uma piada implícita me sussura:
está claro! não vês?

Alucino disse...

um comentário poético que realmente me arrebatou, intensidade tão clara quanto uma centelha onírica em um sono macio.

belas palavras!
obrigadíssimo!

Gabi disse...

todos os seus textos sao carregados de sinestesia...
muito bonito isso...

este, especificamente, lembrou-me d um q escrevi já ha algum tempo:

Noite em claro.
Não passa, o tempo.
Supersônico, atravessa os dias.
E só a minha consciência ainda não amanheceu.

nossa percepção da insonia é bem diferenciada: "Na insônia, vez ou outra, tenho a sensação de um bom começo. Um começo pra nada em específico, sinto apenas algo que se inicia, leve e acalentador, que me explode rumo ao sono com uma felicidade"